Nova PWT e velhos problemas... a produtividade por aqui continua indo de mal a pior


Com a chegada da nova versão da PWT (link aqui) vale dar uma olhada no desempenho da produtividade total dos fatores no Brasil em comparação com a de outros países. Com esta finalidade selecionei todos os países disponíveis na PWT com mais de cinco milhões de habitantes em 2017 (último ano disponível) e classificados como países de renda média alta pelo Banco Mundial. Como medida de produtividade escolhi a “ctfp” que corresponde a produtividade do país como proporção da produtividade dos Estados Unidos corrigida por poder de compra. A figura abaixo mostra o resultado.




O Brasil apresenta o segundo pior desempenho. Entre 2013 e 2017 nossa produtividade caiu 13,6% em relação a dos EUA. O desempenho de países como Rússia e Cazaquistão sugere um efeito do petróleo na medida de produtividade utilizada, mas esse efeito, se for relevante, não é tão direto e nem nos salva do vexame. Considerando apenas o petróleo países como Rússia, Iraque, Cazaquistão e México deveriam ter um desempenho pior que o do Brasil posto que todos eles exportam mais petróleo que o Brasil (links aqui, aqui e/ou aqui) e possuem um PIB menor que o nosso de forma que as exportações de petróleo tem mais peso no PIB desses países do que no PIB brasileiro.

Caso o leitor não esteja satisfeito com essa aproximação pode checar as rendas do petróleo de cada país no banco de dados do Banco Mundial (link aqui). No Brasil essas rendas equivalem a 1,3% do PIB, no Iraque é de 37,8% do PIB, no Irã é de 15,3% do PIB, na Venezuela é de 11,3% do PIB, no Cazaquistão é de 10,2% do PIB, na Rússia é de 6,4% do PIB, no Equador é de 5,0% do PIB, na Colômbia é de 2,7% do PIB, no México é de 1,7% do PIB e no Brasil de 1,3% do PIB. Mais uma vez os números sugerem que é difícil culpar o petróleo por tamanha queda de produtividade no Brasil, principalmente quando lembramos que o fraco desempenho da produtividade por aqui já é observado há algumas décadas.

O problema da produtividade no Brasil decorre de um fenômeno microeconômico onde os incentivos para o investimento em capital físico (e humano!) respondem menos a incentivos de mercado do que a grupos de interesse, principalmente conluios entre políticos e grandes empresários, e a planos estratégicos do governo de plantão. Desde o final da década passada essas distorções voltaram a crescer por aqui. O poder destrutivo de incentivos errados não deve ser subestimado, se as distorções são grandes e se acumulam o suficiente podem destruir uma economia. Não acredita em mim? Então explica a queda de mais de 50% na produtividade relativa da Venezuela... ou o leitor acredita que lá foi o petróleo?



Comentários

  1. Professor,

    A recessão não afeta a medida de TFP? Quando tem recessão as firmas podem não ajustar capital com facilidade. E podem inclusive ter dificuldade de ajustar trabalho.

    Eu imagino que a medida não se encerra em questões microeconômicas durante o ciclo. Não tenho dúvidas de que as questões de oferta são importantes para explicar nosso baixo desempenho, mas a recessão também afeta negativamente a TFP, inclusive na Venezuela.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A questão é delicada, seguindo a lógica do Prescott (ver https://www.minneapolisfed.org/publications/books/great-depressions-of-the-twentieth-century) podemos dizer é a queda da PTF que causa recessões e mesmo depressões.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Limite de isenção do Imposto de Renda em termos de salários mínimos durante os governos petistas

Investimento do governo federal e teto dos gastos

Aumentos do Salário Mínimo nos Governos FHC, Lula e Dilma