Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2017

Venezuela, preço do petróleo e óleo de peroba

Imagem
Vez por outra me assusto com o que vejo no FB, ontem foi um desses dias. Apareceu no meu feed de notícias um texto afirmando que a crise na Venezuela é por conta da queda do preço do petróleo e não das desastrosas medidas econômicas do tirano de Caracas. Não creio que alguém acredite nisso, mas, por via das dúvidas, resolvi juntar e compartilhar alguns dados com os leitores do blog. Nada de muito impressionante, mas que pode útil na pouco provável hipótese de algum leitor esbarrar com alguém que acredite nesta conversa.
Começo por mostrar quais são os países que são mais dependentes do petróleo. A base de dados do Banco Mundial (WDI) lista o quanto a renda do petróleo representa no PIB de cada país. O dado mais recente para Venezuela é de 2013, desta forma fiz a média da proporção da renda do petróleo no PIB para todos os países entre 2010 e 2013. A figura abaixo mostra os dezenove países onde a renda do petróleo foi maior que 20% do PIB entre 2010 e 2013. A Venezuela aparece na déci…

Avaliação da CAPES por área: uma olhada bem rápida na distribuição dos centros de excelência.

Imagem
Quem me conhece sabe que não sou exatamente um entusiasta do modelo de avaliação da CAPES, tenho problemas tanto com a forma que a avaliação é feita quanto com o conceito de uma agência do governo avaliar a pós-graduação e classificar a pesquisa em todo o país. Mas independente de meus questionamentos ou mesmo de meu inconformismo a avaliação é feita e é considerada pela comunidade acadêmica brasileira. Sendo assim resolvi dar uma olhada nos programas de excelência por área de conhecimento.

A comparação é delicada, cada área tem sua própria comissão de avaliação e os critérios utilizados não são exatamente os mesmos. Por outro lado a CAPES tenta padronizar a avaliação tanto por meio de diretrizes quanto por uma análise posterior dos documentos elaborados por cada área. No saldo geral as notas são muito influenciadas pela área, mas tem alguma consistência entre as diversas áreas.Tal consistência faz com que em todas as áreas centros classificados com notas seis ou sete tenham inserção …

É a inflação! Uma olhada nas crises políticas e na inflação.

Imagem
Várias pessoas estão confusas com a passividade da população diante dos escândalos envolvendo políticos que continuam aparecendo em doses semanais. Só nesta semana vimos um apartamento cheio de dinheiro que foi associado a um dos homens forte do presidente Temer, Dilma e Lula denunciados duas vezes pelo Procurados Geral da República e Palocci reforçando o imenso clube dos acusadores do ex-presidente que acreditou ter refundado o Brasil. Isso tudo e ainda nem saímos dos inquilinos do Palácio do Planalto. Podemos colocar ainda as autoacusações do dono da JBS e principal beneficiário das ações do BNDES, os rolos de um procurador que trabalhava diretamente com Janot e um sem número de outras denúncias, investigações e prisões. Em um certo momento parecia que até o STF ia entrar na dança.
Com tudo isso por qual razão não vemos o povo nas ruas? Não creio que exista uma resposta única, vários fatores de naturezas distintas devem ser considerados. Como um economista interessado em política vou…

Contas Nacionais do Segundo Trimestre de 2017: Ainda sem festa, mas com alguma esperança.

Imagem
Ontem foram divulgadas as contas nacionais relativas ao segundo semestre de 2017 (link aqui). Comparado ao trimestre imediatamente anterior e ao mesmo trimestre do ano anterior o PIB apresentou crescimento de 0,2% e 0,3%, respectivamente. A notícia é boa, principalmente por ser a segunda vez seguida que o PIB cresce em relação trimestre anterior depois de uma sequência de quedas. Na comparação do acumulado do ano com o acumulado do ano anterior o PIB ficou parado, ou seja, estamos onde estávamos no primeiro semestre de 2016, o que significa que recuperamos a queda do segundo semestre de 2016, mas não passamos disso. Se compararmos os quatro últimos trimestres com os quatro trimestres anteriores a queda é de 1,4%, ou seja, ainda não recuperamos a queda dos últimos trimestres do governo Dilma. A figura abaixo ilustra esses números.



Para entender melhor o que está acontecendo e até que ponto estamos mesmo testemunhando a saída da recessão é necessário olhar os números com mais detalhes. A…