Brasil e Alemanha: A presidente mandou e eu comparei.

Não me agrada comparar Brasil e Alemanha, somos um país pobre e eles são ricos, isso torna a comparação meio que inócua. Como a maioria dos que trabalham com crescimento econômico creio que comparações entre países só podem ser feitas quando o PIB per capita tem alguma proximidade, seja quando da comparação seja em um passado não tão distante. Mas como a presidente mandou comparar Brasil com a Alemanha no último debate e eu sou um súdito cidadão obediente farei a comparação.

No formato de nações independentes que conhecemos hoje o Brasil nasceu em 1822 quando D. Pedro I proclamou nossa independência de Portugal e a Alemanha nasceu em 1871 quando o Chanceler Oto von Bismark liderou a unificação alemã. Somos portanto uns cinquenta anos mais velhos que eles. Enquanto tivemos uma história relativamente pacífica com algumas revoltas internas (destaque para a Revolução Farroupilha e a Guerra de Canudos) e uma guerra em nossas fronteiras (Guerra do Paraguai) os alemães foram protagonistas das duas Guerras Mundiais que ocorreram no século XX. Na primeira saíram com a economia destruída, na segunda tiveram o país fisicamente destruído, para piorar após a II Grande Guerra foram divididos em áreas de influência das potências vencedores e assim ficaram até 1989 quando a Alemanha se reunificou. Não apenas somos mais velhos como desfrutamos de um maior período de paz e não tivemos territórios ocupados por potências estrangeiras.

Mesmo assim somos muito mais pobres que os alemães. Se compararmos o PIB per capita da Alemanha com o do Brasil a diferença é gritante, de acordo com os dados do FMI corrigidos por poder de compra o PIB per capita da Alemanha em 2013 foi de 43.475 dólares internacionais, de acordo com o Banco Mundial foi de 43.332 dólares internacionais, a diferença é explicada por métodos diferentes de ajuste do poder de compra. Para os que não são da área ajuste pelo poder de compra é uma forma de comparar valores em países onde os preços internos são diferentes. No Brasil o PIB per capita foi de 14.987 dólares internacionais pelo FMI e 15,034 pelo Banco Mundial, ou seja, ajustado pelos preços internos, o alemão médio umas três vezes mais que o brasileiro médio. Se não fizermos o ajuste pelo poder de compra o PIB per capita da Alemanha em 2013 foi US$ 45.085 e o do Brasil foi US$ 11.208 (dados do Banco Mundial), por esse critério os alemães são quatro vezes mais ricos que os brasileiros.

A comparação da renda per capita ficou ruim para o Brasil. Devo dizer que a comparação pode ser injusta com as intenções da presidente afinal PIB per capita não é construído em um governo, depende de toda uma história. É mais provável que a presidente queria saber como cada país cresceu durante o governo dela. Antes de passar aos números faço um alerta. Existem bons motivos para um país pobre (vá lá classe média baixa) como o Brasil crescer mais do que um país rico como a Alemanha. Quem trabalha com modelos neoclássicos imediatamente pensa em rendimentos decrescentes, quem prefere os modelos de crescimento endógeno pode pensar em oportunidades de inovação. Um país rico para crescer precisa descobrir e adotar novas tecnologias, um país em desenvolvimento (ficou melhor que pobre ou classe média baixa) como o Brasil pode apenas adaptar e/ou adotar tecnologias já existentes. Passemos aos números.

Para evitar problemas com correção por paridade de poder de compra calculei a taxa de crescimento a partir do PIB per capita em valores constates da moeda local de cada país conforme calculado pelo FMI. No período entre 2011 e 2014 o único ano em que o PIB per capita do Brasil cresceu mais que o da Alemanha foi em 2013, no acumulado do período o PIB per capita do Brasil cresceu 2,87% e o da Alemanha cresceu 7,41%. A conclusão é que não apenas os alemães são mais ricos que os brasileiros como ficaram ainda mais ricos durante o período em que Dilma governou o Brasil. A figura acima mostra o crescimento do PIB per capita em cada ano e no acumulado do período para os dois países.

Outra variável que está sempre no debate econômico é a inflação. Nesse quesito também nos saímos pior que os alemães. Em todos os anos nossa inflação foi maior que a deles, a média das inflações para o Brasil foi de 6,12%, para a Alemanha foi de 1,61%, a maior inflação que tivemos no período foi de 6,5% em 2011, a maior deles foi de 2,28% também em 2011, no acumulado nossa inflação entre 2011 e 2014 foi de 26,84% e a deles foi de 6,6%. A figura ao lado mostra a inflação dos dois países em cada ano e no acumulado, a diferença é gritante. Se no caso do crescimento podemos apelar para transformações de poder de compra para salvar o resultado aqui não tem discussão: nossa inflação é muito maior que a deles.

Deixemos de falar de inflação e de crescimento, isso é coisa de economista, de acordo com a sabedoria econômica oficial o que importa mesmo é o emprego. Falemos então de emprego, mas antes cabe uma ressalva: um desempregado na Alemanha tem renda maior que um orgulhoso membro da classe média brasileira conforme a definição do governo. Existem duas modalidades de seguro desemprego na Alemanha (link aqui). O primeiro tipo de benefício corresponde a 60% do salário de referência (€ 5.600 em 2013) podendo chegar a 67% se o beneficiário tiver filhos menores de 18 anos, esse benefício é pago por um período de 90 a 360 dias a depender do tempo que a pessoa ficou no último emprego. O segundo tipo de benefício é de € 350 por mês e é destinado a que ultrapassa o tempo de recebimento do primeiro benefício ou que não tem renda suficiente, os que recebem esse benefício são obrigados a participar de programas de treinamento. Tomando os 60% do salário de referências os beneficiários do primeiro tipo recebem pelo câmbio de hoje (3,15) o equivalente a R$ 10.584, ou seja, pelos critérios do nosso governo seria um sujeito rico no Brasil. Os beneficiários do segundo tipo de benefício recebem o equivalente a R$ 1.102,50 por mês, pelos critérios do governo seria de classe média no Brasil. É claro que comparar desemprego em condições tão diferentes quanto as vigentes no Brasil e na Alemanha é um exercício de pouca utilidade, mas não fui quem inventei de comparar Brasil com Alemanha, pelo contrário, avisei que não era uma boa ideia. Feitas as ressalvas passemos para os números. De acordo com o Banco Mundial (link aqui) a taxa de desemprego no Brasil em 2012 era de 6,9%, na Alemanha era de 5,4%. Não me dei por satisfeito e fui procurar números mais recentes (bendita Wikipedia, link aqui). Achei que em novembro de 2013 a taxa de desemprego no Brasil era de 5,4%, em fevereiro de 2014 a taxa de desemprego na Alemanha era de 5,1%. Mais uma vez a Alemanha se saiu melhor que o Brasil, e olha que nem usei os números da PNAD ampliada...

Estava decidido a não terminar o posto sem que o Brasil ganhasse em algum critério, não que o Brasil saísse de minha comparação pior do que a seleção se saiu no confronto com os alemães. Pensei que pelo menos nosso futuro poderia ser mais promissor que o deles e fui olhar a taxa de investimento nos dois países. A figura à direita mostra a comparação. Começamos na frente, em 2011 nossa taxa de investimento ficou de 19,73% contra míseros 18,51%, mantemos a dianteira nos anos seguintes, mas não teve jeito, após quatro anos de governo Dilma os alemães nos ultrapassaram também nesse quesito, ver figura à direita. A nação rica que está cuidando mais do futuro do que a nação pobre, talvez não por acaso que eles sejam mais ricos.

Me incomodei com a hipótese que os ricos alemães estejam mais preocupados com o futuro do que os brasileiros, não pode ser, pensei eu, desesperado peguei um daqueles livros do MEC para doutrinar ensinar nossos jovens para ver achava uma resposta. Achei! Alemães são malvados e constroem seu futuro com o sacrifício dos outros povos, passei a pensar como achar uma variável para confirmar a tese do livro do MEC que a esta altura era meu fio de esperança. Resolvi olhar a taxa de poupança, certamente os alemães financiam seus investimentos com dinheiro que pegam no resto do mundo enquanto nó temos que usar nossa poupança para financiar nosso investimento e ainda mandar dinheiro para financiar os alemães. Infelizmente os dados de poupança não confirmam a tese do livro do MEC, não apenas os alemães poupam mais do que nós, ver figura acima, como ainda poupam mais do que investem. Na realidade somos nós que pegamos dinheiro do resto do mundo para financiar nosso investimento, em todos os anos investimento mais do que poupamos. Malditos brasileiros malvados que expropriam os alemães!

Joguei a toalha. A comparação estava me deixando deprimido. Somos mais velhos (0x1), tivemos mais tempo de paz como nação independente (0x2), eles são muito mais ricos (0x3), eles cresceram mais (0x4), eles têm menos inflação (0x5), a taxa de desemprego deles é menor (0x6), nós investimos menos (0x7) e eles poupam mais (0x8). Decidido a não tomar um vexame maior que a canarinho apelei ao STJD, voltei aos dados do FMI e peguei a taxa de crescimento do PIB real conforme calculada pelo FMI, entre 2011 e 2014 nós crescemos 6,7% e eles cresceram 6,35%, tudo bem que em 2014 eles devem crescer mais de quatro vezes o que vamos crescer, mas quem se importa? Arranquei um ponto deles para nós, igualei a seleção nos 7x1. Não vou dizer que estou satisfeito, mas resolvi parar, vai que eles se invocam e fazem mais um...




Comentários

  1. Meu caro Roberto Ellery,
    Você fez o que a presidente-candidata mandou: em lugar de comparar o Brasil com o Chile, como tinha aventado, entre outros países, o candidato oposicionista, ela disse que o Brasil precisava ser comparado com "economias maiores", com a da Alemanha, por exemplo.

    Indiferente ao absurdo da pretensão -- que só poderia passar na cabeça de quem não entende nada de economia, e muito menos ainda sabe história econômica, ou que jamais consultou estatísticas na vida -- cabe reconhecer que qualquer comparação entre países é válida, mesmo entre os Estados Unidos e a Somália, por exemplo.

    Claro, alguém poderia mostrar, numa perspectiva de longo curso, que o diferencial de renda per capita entre os Estados Unidos recém independentes, digamos em 1790, e a então Somália, o o que estivesse no seu lugar, fosse, apenas chutando, de vinte vezes "apenas". Dois séculos depois, essa diferença deve ser superior a 100 vezes, se não for mais. Tudo bem, vocês podem argumentar, sempre se pode comparar, e descobrir que os EUA avançaram e a Somália estagnou, ou afundou. Coisas da vida.

    Mas vamos comparar nosso paísinho que parece grande, com os mesmos EUA, grandões de verdade. Cem anos atrás, nós tinhamos uma renda per capita que não ultrapassa 11% da renda dos americanos, já então o povo mais rico do planeta. Avançamos, aos saltos e tropeços, no decorrer do século XX, mas o máximo que conseguimos fazer foi 25 ou 28% no auge do regime militar, quando tivemos taxas de crescimento chinesas no início dos anos 1970 (bem, os chineses é que exibem agora as taxas "brasileiras" de quase meio século atrás). Atualmente, devemos nos situar abaixo de 20% da renda americana, o que significa que recuamos, ou eles avançaram mais do que nós.

    Mas, esse tipo de comparação não é a mais significativa: dados brutos nunca são um indicador satisfatório para o desenvolvimento de um país. Eles podem refletir situações e conjunturas de crescimento -- ou de estagnação, com ou sem inflação, etc. -- mas o desenvolvimento implica em transformações estruturais, com prosperidade social, ou seja, crescimento da renda per capita, certo?

    A esse título, a comparação do Brasil com a Alemanha nos deixa muito mal no retrato, a despeito do que pretende a presidente.

    Mas, ela também recusou a comparação com o Chile, a pretexto de que o Chile é um pequeno país, com uma economia menor do que a do Rio Grande do Sul, disse ela. Outra bobagem, pois a esse título, a Alemanha também é um "pequeno" país em população e território, comparada com o Brasil, mas faz um PIB, total e per capita, várias vezes superior ao do Brasil, certo?

    Mas, por que uma comparação com um "pequeno país" não serviria para esses exercícios de comparação? Só pelo tamanho? Mas isso é uma bobagem monumental. O mundo abriga países grandes, pequenos, médios, gigantes e minúsculos, sem que isso apresente qualquer problema para a prosperidade, ou a miséria, de seu povo. Temos grandes países miseráveis -- a Índia, por exemplo, ou de certo modo ainda a China rural -- e pequenos países riquíssimos, Suíça ou Luxemburgo.
    (Veja o resto no meu blog, mas vou colocar também no FB)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro. Obrigado pelos comentários, quando disse que comparações devem ser feitas entre países com PIB per capita semelhante estava no contexto de comparar taxas de crescimento como quem espera que fosse semelhantes. Na verdade o que se espera é que um país como o Brasil cresça mais que a Alemanha. Acredito que os países da América Latina formem um excelente conjunto de comparação para o Brasil por vários motivos, sendo o PIB per capita um deles, mas também tem a proximidade cultural, particularmente o populismo caudilhesco que nos assola. Vou ler no teu blog o resto do comentário. Grande abraço.

      Excluir
  2. esqueceu de comparar dívida pública alemanha 80% do PIB Brasil 65%. dívida externa Alemanha: 4 trilhões de dólares, Brasil 360 bilhões. endividamento de famílias para com o pib alemanha 54% Brasil 25%, endividamento de empresas com relação ao pib alemanha 54%, brasil 38%, ranking das reservas em dólar Alemanha 188 bi, brasil: 379, ranking de reservas petroliferas alemanha 50º, brasil 13º, ranking em captação de IED alemanha: não está entre os 10, brasil: 6º, entre as 50 maiores empresas mundiais 3 são do brasil e apenas 1 da alemanha e para não ser injusto paridade em poder de compra PIB - ALEMANHA está em 5º e brasil em 7º. o ppc é a melhor maneira de se avaliar a capacidade de consumo e compra de um país. Portanto não é que brasil seja superior a alemanha. brasil é um pais de grande potencial, não tem os indices de desenvolvimento do primeiro mundo mas é um país de grande perspectiva.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Comparar estoques de dívidas é um exercício pouco relevante se não for feita uma comparação dos custos associados à dívida. Alguém que ganhe R$ 50 mil por ano e tenha uma dívida de R$ 10 mil no cheque especial está muito enrolado, quase insolvente, mesmo devendo 20% da renda anual. Alguém que ganhe R$ 2 milhões por ano e tenha uma dívida de R$ 1 milhão financiada pela TJLP (talvez pro ser amiga do presidente do banco...) está em posição muito mais confortável mesmo devendo 50% da renda anual. Isto explica porque o mercado cobra menos para emprestar para Alemanha do que para emprestar para o Brasil.

      A variável relevante é o PIB per capita, qualquer que seja o critério de correção por poder de compra estamos muito, mas muito mesmo, atrás da Alemanha. Para 2013 pelo critério do Banco Mundial a Alemanha estava em 17o ($43.475) e o Brasil estava em 76o ($14.976), pelo critério do FMI a Alemanha estava em 16o ($44.469) e o Brasil estava em 74o ($15.038), pelo critério da PWT não é muito diferente, não estou com os dados aqui e nem é fácil achar os dados ordenados na Internet, mas se quiser pode checar.

      A "maldição de Stefan Zweig" sempre aparece nestas horas, somos o eterno pais do futuro... cheio de potenciais e perspectivas... Apenas para registro o Brasil ficou independente em 1822, a Alemanha se unificou como nação em 1871. De lá para cá a Alemanha foi "destruída" economicamente em uma guerra mundial e fisicamente em outra, na sequência passou mais de 40 anos dividida.

      Excluir
    2. De fato, o custo da dívida é um elemento relevante, e mesmo nesse critério a Alemanha ainda "bate" outros países: de 1919 a 1931, quando suspendeu os pagamentos de reparações e indenizações de guerra (depois o Hitler suspendeu completamente em 1933), ela pagaou entre 1 e 3 por cento do PIB anual para os vencedores da Primeira Guerra. Não pagou nada na Segunda, mas deve ter "pago" coisa igual, durante anos, nos anos 1990, na reunificação da parte oriental, quando praticamente subvencionou os alemães de leste com generosas transferências de recursos, sem falar de indenizações que pagou aos russos para que estes retirassem seus soldados tranquilamente. O ponto central de qualquer esforço de investimento e de pagamento de dívidas públicas é a produtividade do capital humano e este é imbatível na Alemanha, como é nos EUA, na Coreia do Sul e em alguns outros países, grandes e pequenos.

      Excluir
    3. Perfeito. Certa vez em uma apresentação no Congresso falei que temos de escolher entre o Modelo Chinês e o Modelo Alemão. O primeiro é caracterizado por uma rede de proteção social fraca, baixos salários e câmbio desvalorizado para turbinar exportações via preços; para que tal modelo funcione seria preciso um gigantesco ajuste fiscal que permitisse ao Brasil desvalorizar o câmbio. O modelo que chamei de alemão admite um estado de bem estar social, salário altos e câmbio valorizado. Como? Com alta produtividade do trabalho.

      Acredito que nem a China quer ficar no modelo que chamei de chinês, basta ver o investimento que estão fazendo em capital humano. É espantoso que ainda tenhamos que discutir isso. Sem aumentar a produtividade não há como conciliar crescimento com, salários altos e a rede de proteção social que o Brasil está construindo.

      Excluir
  3. Eu quero saber mesmo, é a diferença politica entre o Brasil e a Alemanha, como por exemplo o do Brasil, que tem o Poder Legislativo, Executivo, e o STF

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Votação do fundo eleitoral por partidos,

2016: O ano que o Império da Lei venceu o império do governante.

Desempenho da economia durante o regime militar: o que dizem os dados?