Brasil e Colômbia: Câmbio, Crescimento, Inflação, Investimento e Tamanho do Governo

Semana passada meu amigo, co-autor e colega de departamento Victor Gomes me mandou olhar a taxa de câmbio da Colômbia e comparar com a do Brasil, na realidade ele fez mais e foi gentil o suficiente para mandar uma figura com as duas taxas de câmbio. Fiquei tão impressionado com o gráfico que compartilhei com os amigos do FB (link aqui), mas como estava fora de Brasília não tive como comparar Brasil e Colômbia a partir de outras variáveis. Hoje, já em casa, resolvi dar uma olhada nos dados do FMI para Brasil e Colômbia e ver quais as semelhanças e diferenças entre os dois países. Desde já registro que os dados do FMI não são os mais atualizados que existem, porém oferecem séries com as mesmas definições e com os dados originais recebendo o mesmo tratamento.

Comecemos com a taxa de câmbio, a figura abaixo foi feita com o Google Finance e mostra a variação da taxa de câmbio entre real e dólar em azul e a taxa de câmbio entre peso colombiano e dólar em laranja. É fato que existe uma pequena diferença no final das séries, mas na maior parte do tempo as séries estão coladas, ou seja, se o real está “derretendo” então o peso colombiano também está. Quem me acompanha no blog ou no FB deve ter reparado que costumo terminar quase todos os meus comentários a respeito do câmbio com a máxima “deixa o câmbio flutuar”. A ideia é deixar claro que mesmo estando irritado com a desvalorização do real, na condição de assalariado que recebe em reais a perda de valor do real é ruim para mim, eu tenho em mente que câmbio é um preço e variações em quaisquer preços não são boas ou ruins. Variações em preços prejudicam uns e beneficiam outros, assim como o aumento do preço da laranja prejudica os consumidores de laranja e beneficia os vendedores de laranja o aumento do preço do dólar beneficia os que possuem renda em dólares e prejudica os que têm gastos em dólares ou atrelados ao dólar. Em resumo, a desvalorização da moeda de um país não necessariamente significa que a economia do país está naufragando, na verdade existem economistas que acreditam que a desvalorização é boa por beneficiar exportadores que de alguma forma repartirão esse benefício com toda a população, o leitor atento deve ter percebido que eu não pertenço a esse grupo de economistas.




O caso da Colômbia pode ser didático a esse respeito, apesar do peso colombiano estar enfrentando um processo de desvalorização semelhante ao do real o FMI prevê que a Colômbia irá crescer 3,39% e terá uma inflação de 3,35% em 2015. Um sonho se comparado a previsão de crescimento de -1,02% e inflação de 7,8% que o FMI faz para o Brasil em 2015. Não é de hoje que a Colômbia cresce mais e tem menos inflação que o Brasil, o primeiro gráfico abaixo mostra que desde 2011 a Colômbia cresce mais do que nós e o segundo gráfico mostra que desde 2009 a inflação na Colômbia é mais baixa do que no Brasil. No “trade-off” entre inflação e crescimento tão citado entre os economistas governistas a Colômbia ficou com mais crescimento e menos inflação que o Brasil. Como isso aconteceu? É difícil responder sem uma análise mais profunda da economia colombiana, o que não é objetivo desse post, porém alguns dados podem ajudar e desenhar uma futura explicação.




Um bom ponto de partida é comparar o investimento. Se considerarmos as projeções do FMI esse ano haverá queda na taxa de investimento tanto no Brasil quanto na Colômbia, se consideramos os dados, até 2014 para o Brasil e até 2013 para a Colômbia, os colombianos não apenas investem uma proporção do PIB maior do a investida pleos brasileiros, o que também acontece nas projeções do FMI, como estão investindo cada vez mais em relação ao Brasil, nas projeções do FMI a queda da taxa de investimento da Colômbia será maior do que no Brasil em 2015. O fato da taxa de investimento no Brasil ter sido mais baixa do que na Colômbia em todo o período que vai de 2005 a 2015 e ter crescido menos do que a da Colômbia nos últimos anos deveria ser motivo de preocupação para o pessoal do BNDES visto que o banco usou algumas centenas de bilhões de reais para estimular o investimento no Brasil. Antes que alguém saia dizendo que a diferença entre o investimento na Colômbia e no Brasil é cultural ou um “efeito do nosso contrato social” registro que no ano 2000 a taxa de investimento no Brasil foi de 19,1% e na Colômbia foi de 14,9%.



Outro ponto que distingue Brasil e Colômbia é o tamanho do gasto e da arrecadação do governo, foquemos no gasto, enquanto nosso governo gasta aproximadamente 40% do PIB o da Colômbia gasta aproximadamente 30%. O governo brasileiro gastar mais do que o governo colombiano em relação ao PIB não é um fenômeno novo, o gráfico abaixo mostra que em todos os anos entre 2005 e 2015 o governo colombiano gastou menos que o brasileiro, se recuássemos até o início do século o resultado não seria diferente. O governo brasileiro também arrecada uma proporção maior do PIB do que o colombiano, não seria sem fundamento afirmar que o governo brasileiro é maior que o governo colombiano. 


Pelo conceito primário o resultado do governo brasileiro foi superior ao colombiano até 2013, em 2014 a Colômbia teve resultado primário positivo e o Brasil teve negativo e para 2015 o FMI ainda mantém a previsão de superávit primário de 1,2% do PIB para o Brasil, o governo brasileiro já abandonou essa promessa e um déficit primário de 0,45% para Colômbia. Espero que os economistas brasileiros que tem fixação com resultado primário não fiquem muito desapontados com o fato que a Colômbia tem conseguido resultados econômicos muitos superiores ao Brasil mesmo com um resultado primário menos entre 2005 e 2013, de 2009 a 2011, a Colômbia, suprema heresia, teve déficit primário. Talvez o exemplo da Colômbia ensine nossos economistas que fixar a análise em só indicador é uma estratégia, para dizer o mínimo, limitada.


 Em resumo podemos dizer que embora as moedas do Brasil e da Colômbia estejam passando por um processo de desvalorização as duas economias estão em situações bem distintas. Enquanto o Brasil só escapou de uma redução do PIB em 2014 por conta de uma mudança na metodologia de cálculo do PIB e terá crescimento negativo em 2015 e talvez em 2016 a Colômbia cresceu 4,6% em 2014 e tem previsão de crescimento de 3,4% em 2015. Ao contrário do pensam alguns de nossos economistas governistas o maior crescimento não veio com maior inflação, pelo contrário, em 2014 a inflação na Colômbia foi de 2,9% contra 6,3% no Brasil e as precisões do FMI indicam que em 2015 os colombianos terão inflação de 3,4% contra 7,8% no Brasil, cabe lembrar que de acordo com o Boletim Focus do Banco Central a inflação do Brasil em 2015 será 9,3%. Além de crescer mais com menos inflação a Colômbia tem investido consistentemente uma parcela do PIB maior que o Brasil tem investido, da mesma forma o governo Colômbia toma para si uma fração do PIB menor do que a tomada pelo governo brasileiro e gasta uma fração do PIB menor do que a gasta pelo governo brasileiro. Com inflação controlada, taxa de investimento em alta e um governo menor não me parece tão estranho que os colombianos consigam conviver com um resultado primário menor do que o brasileiro, ou seja, tivéssemos feito nosso dever de casa não precisaríamos de um primário "tão elevado".



Comentários

  1. Muito interessante o artigo pois sai do lugar comum e faz uma comparação das economias em diversos aspectos.
    Gostaria de comparar os tamanhos do governo brasileiro e dos EUA desde a 1a guerra mundial e na primeira (e confesso que rasa) busca não consegui achar os números oficiais que você apresenta no quinto gráfico apresentado aqui (gastos do governo/PIB). A única metodologia de cálculo do tamanho do governo brasileiro não considera governos estaduais e municipais e por isso ficou por volta dos 20%. Peço então a fonte dos dados citados.
    Obrigada!

    Liza Valença Ramos
    lizavalenca@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A maioria dos dados são do World Economic Outlook Database do FMI (http://www.imf.org/external/pubs/ft/weo/2015/02/weodata/index.aspx). Para dados posteriores a segunda guerra eu recomendo a Penn World Table, para o entre-guerras é mais complicado, provavelmente será necessário recorrer as fontes nos EUA e no Brasil.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Limite de isenção do Imposto de Renda em termos de salários mínimos durante os governos petistas

Aumentos do Salário Mínimo nos Governos FHC, Lula e Dilma

Votos por partido para o aumento do salários dos ministros do STF