Expectativas do mercado para 2016 e excesso de otimismo.

Saiu o primeiro Boletim Focus do ano (link aqui) e me pareceu interessante olhar o que o pessoal do Mercado esperava para 2015 em janeiro e como mudou até dezembro. A tabela abaixo mostra as expectativas do mercado no primeiro boletim de 2015, no último de 2015 e agora no primeiro de 2016.

Variável
Expectativa para 2015 em janeiro de 2015
Expectativa para 2015 em dezembro de 2015
Expectativa para 2016 em janeiro de 2016.
IPCA(%)
6,56
10,72
6,93
Taxa de câmbio – fim de período
2,80
3,90*
4,25
Taxa Selic – fim de período
12,50
14,25**
15,25
PIB (%) - crescimento
0,50
-3,71
-2,99
Produção industrial (%) - crescimento
1,04
-7,80
-3,45
Conta Corrente (US$ bilhões)
-77,00
-63,30
-38,00
*previsão do penúltimo boletim, ** previsão de novembro

Reparem que no começo de 2015 a expectativa de inflação para 2015 era menor do que a expectativa de inflação que hoje os analistas de mercado apresentam para 2016, ou seja, se o mercado errar em 2016 como errou em 2015 a inflação de 2016 será maior que a de 2015. Pegar no pé de quem erra previsão de taxa de câmbio é como chutar a canela em pelada, mesmo assim deixo o registro que no começo de 2015 o mercado esperava que o dólar fechasse o ano em R$2,80, no final de 2015 o valor esperado tinha subido para R$ 3,90 e na realidade o dólar fechou o ano a R$ 3,94. O mercado também foi otimista no que diz respeito à Selic, a previsão em janeiro de 2015 é que a taxa básica de juros terminaria o ano em 12,5, na realidade terminou em 14,25.

No quesito crescimento o erro do pessoal do mercado foi gigantesco e, ao contrário do câmbio, injustificável. Era óbvio que o PIB encolheria em 2015, mesmo assim a aposta em janeiro de 2015 era de crescimento de 0,5%, no final do ano o realismo se impôs e a previsão passou a ser de queda 3,71%. Em 2016 os analistas de mercado estão prevendo recessão com o PIB variando em -2,99%, se repetirem o erro de 2015 vamos ter a maior queda de nosso PIB na história das contas nacionais, espero que tenham ajeitado os modelos. A produção industrial foi outra variável em que o excesso de otimismo do mercado se fez presente, começaram o ano de 2015 prevendo crescimento de 1,04%, no final de 2015 a previsão era de -7,8%, o número de novembro divulgado pelo IBGE mostrou uma queda de 12,4% em comparação com novembro de 2014. Em 2016 a turma do mercado começa prevendo queda de 3,45%, se a previsão for tão contaminada por otimismo como o ano passado é capaz da indústria acabar em 2016, novamente espero que os modelos estejam curados do excesso de otimismo dos últimos anos. Das variáveis que escolhi a conta corrente foi única onde o passar de 2015 fez com que as expectativas do mercado “melhorassem”.

Enfim, olhando os números do primeiro Boletim Focus de 2016 fico com a impressão que o pessoal do mercado deixou o otimismo exagerado de lado, pelo menos nos itens ligados a crescimento, se deixou de vez o otimismo é coisa que o ano de 2016 vai nos revelar. Quem (sobre)viver verá.


Comentários

  1. Excelente artigo! Eles devem ser avaliados pela taxa de acerto e não pelas desculpas que arrumam!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Limite de isenção do Imposto de Renda em termos de salários mínimos durante os governos petistas

Investimento do governo federal e teto dos gastos

Aumentos do Salário Mínimo nos Governos FHC, Lula e Dilma