Much ado about nothing?

Segue o que espero ter sido meu comentário final a respeito da invasão e ocupação da reitoria da UnB.

Com a carta anexa (link aqui) foi encerrada a invasão e ocupação da reitoria que começou na quinta-feira passada. Confesso que mesmo tendo lido a carta várias vezes não entendi do que se trata. A carta fala em "sanear os processos existentes, facultada a abertura de novos procedimentos para apuração de fatos...". Não era exatamente o que estava acontecendo? Havia um documento onde era pedido para que fosse aberto um processo disciplinar. O documento com o pedido da sindicância será saneado? Exatamente o que é sanear um processo? A abertura do processo disciplinar não seria um novo procedimento que a carta faculta?
No segundo parágrafo fala-se de manter abertas agendas para debates relativos aos CAs e ao uso de ônibus pelos estudantes. Tenho pouco mais de dez anos de UnB, comparado aos meus colegas diretores e decanos eu sou novo na casa. Talvez por isto o parágrafo tenha me parecido confuso. É que eu nunca vi nenhuma agenda de debate na UnB ser fechada. Tudo que entra e discussão na UnB parece entrar em idas e vindas infinitas que nunca se encerram até que adormeça nos emaranhados de colegiados, conselhos e câmaras e suas incontáveis comissões. Daí um conselheiro mais articulado, o reitor ou invasores mascarados acordam o assunto e o ciclo recomeça...
Por fim a participação da defensoria pública, a parte mais interessante da carta. De fato eu mesmo sugeri aos alunos envolvidos que procurassem apoio jurídico, em democracias é com apoio jurídico que se resolvem conflitos, como tudo indica que os alunos envolvidos não podem pagar pelo apoio jurídico a saída seria buscar a defensória pública ou núcleos de apoio jurídico que fizessem o trabalho sem cobrar dos alunos. Estou certo que uma orientação jurídica deixará os alunos envolvidos bem mais tranqüilos em relação aos possíveis processos, desta forma garantir o direito aos envolvidos de recorrer a defensoria pública poderia ser visto como o lado bom que compensaria todos os custos da invasão... se recorrer a defensoria pública já não fosse um direito de qualquer cidadão independente da autorização de reitor, decano, conselhos universitários ou quem quer que seja.
Enfim, cada um que tire suas conclusões a respeito da carta assinada pelo reitor, o link para a íntegra da carta conforme divulgada pela página da UnB segue anexo (aqui). Da minha parte vou continuar procurando na carta algo que justifique tanto barulho, mas não por muito tempo, tenho que acompanhar processos que estavam parados na reitoria, reuniões de conselhos e etc. Espero terminar aqui minha atuação nesse episódio. Obrigado aos que de alguma forma se envolveram comentando no FB ou no blog, divulgando o ato de segunda-feira ou mesmo apontando falhas e erros nos meus comentários.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Votação do fundo eleitoral por partidos,

2016: O ano que o Império da Lei venceu o império do governante.

Desempenho da economia durante o regime militar: o que dizem os dados?