Expectativas do mercado para 2016 e excesso de otimismo.

Saiu o primeiro Boletim Focus do ano (link aqui) e me pareceu interessante olhar o que o pessoal do Mercado esperava para 2015 em janeiro e como mudou até dezembro. A tabela abaixo mostra as expectativas do mercado no primeiro boletim de 2015, no último de 2015 e agora no primeiro de 2016.

Variável
Expectativa para 2015 em janeiro de 2015
Expectativa para 2015 em dezembro de 2015
Expectativa para 2016 em janeiro de 2016.
IPCA(%)
6,56
10,72
6,93
Taxa de câmbio – fim de período
2,80
3,90*
4,25
Taxa Selic – fim de período
12,50
14,25**
15,25
PIB (%) - crescimento
0,50
-3,71
-2,99
Produção industrial (%) - crescimento
1,04
-7,80
-3,45
Conta Corrente (US$ bilhões)
-77,00
-63,30
-38,00
*previsão do penúltimo boletim, ** previsão de novembro

Reparem que no começo de 2015 a expectativa de inflação para 2015 era menor do que a expectativa de inflação que hoje os analistas de mercado apresentam para 2016, ou seja, se o mercado errar em 2016 como errou em 2015 a inflação de 2016 será maior que a de 2015. Pegar no pé de quem erra previsão de taxa de câmbio é como chutar a canela em pelada, mesmo assim deixo o registro que no começo de 2015 o mercado esperava que o dólar fechasse o ano em R$2,80, no final de 2015 o valor esperado tinha subido para R$ 3,90 e na realidade o dólar fechou o ano a R$ 3,94. O mercado também foi otimista no que diz respeito à Selic, a previsão em janeiro de 2015 é que a taxa básica de juros terminaria o ano em 12,5, na realidade terminou em 14,25.

No quesito crescimento o erro do pessoal do mercado foi gigantesco e, ao contrário do câmbio, injustificável. Era óbvio que o PIB encolheria em 2015, mesmo assim a aposta em janeiro de 2015 era de crescimento de 0,5%, no final do ano o realismo se impôs e a previsão passou a ser de queda 3,71%. Em 2016 os analistas de mercado estão prevendo recessão com o PIB variando em -2,99%, se repetirem o erro de 2015 vamos ter a maior queda de nosso PIB na história das contas nacionais, espero que tenham ajeitado os modelos. A produção industrial foi outra variável em que o excesso de otimismo do mercado se fez presente, começaram o ano de 2015 prevendo crescimento de 1,04%, no final de 2015 a previsão era de -7,8%, o número de novembro divulgado pelo IBGE mostrou uma queda de 12,4% em comparação com novembro de 2014. Em 2016 a turma do mercado começa prevendo queda de 3,45%, se a previsão for tão contaminada por otimismo como o ano passado é capaz da indústria acabar em 2016, novamente espero que os modelos estejam curados do excesso de otimismo dos últimos anos. Das variáveis que escolhi a conta corrente foi única onde o passar de 2015 fez com que as expectativas do mercado “melhorassem”.

Enfim, olhando os números do primeiro Boletim Focus de 2016 fico com a impressão que o pessoal do mercado deixou o otimismo exagerado de lado, pelo menos nos itens ligados a crescimento, se deixou de vez o otimismo é coisa que o ano de 2016 vai nos revelar. Quem (sobre)viver verá.


Comentários

  1. Excelente artigo! Eles devem ser avaliados pela taxa de acerto e não pelas desculpas que arrumam!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Votação do fundo eleitoral por partidos,

2016: O ano que o Império da Lei venceu o império do governante.

Desempenho da economia durante o regime militar: o que dizem os dados?