A construção de uma grande crise

Hoje mais uma vez a presidente falou que esgotou todos os recursos para combater a crise, ela já tinha dito o mesmo em outras ocasiões (link aqui). A constatação de Dilma merece reflexão. Desde antes do PT chegar ao poder eu estudo grandes depressões, um dos meus textos mais importantes está em um livro editado pelo Timothy Kehoe e o Edward Prescott (link aqui) com estudos de caso de grandes depressões em vários países. Quando veio a grande crise de 2008 foi natural querer saber quais as lições das grandes depressões para a crise. O que fazer para que a crise não vire outra grande depressão?

O Timothy Kehoe e o Gonzalo Fernández de Córdoba escreveram um texto a respeito das lições das grandes depressões para a crise de 2008 (link aqui), Harold Cole e Lee Ohanian também sobre o assunto para o Wall Street Journal (link aqui e aqui). Grosso modo o recado dos autores é que se o governo perder o foco no longo prazo no afã de minimizar os efeitos de curto prazo da crise o resultado pode ser uma grande crise no futuro. Impedir o ajuste do mercado de trabalho pela destruição de firmas ou plantas ineficientes salva emprego no presente, mas dificulta o crescimento da produtividade e a retomada do crescimento no futuro. Facilitar ou mesmo estimular concentração de mercado pode salvar lucros e até mesmo estimular o investimento, mas as custas de uma redução na produção e de perda de bem-estar. Subsidiar e estimular crédito pode manter o consumo no curto prazo, mas também pode criar bolhas financeiras e/ou imobiliárias. Cada medida de curto prazo tem sua contrapartida cruel no longo prazo.

Não é melhor adiar o sofrimento? É uma boa pergunta, em algum grau todos os governos tentam adiar o sofrimento causado por uma crise, principalmente nas proximidades de eleições, mas adiar o sofrimento tem seus custos. Um exemplo comum  é adiar a ida ao dentista, se cada vez que o dente dói usamos um analgésico podemos escapar por um longo tempo da cadeira e dos malditos motores do dentista. O custo é que uma cárie pode virar um canal, um canal pode virar uma coroa e uma coroa pode virar um dente perdido.

Em economia a questão é menos visível, porém o exemplo brasileiro serve de ilustração. Suponha que no lugar de usar todo o instrumental disponível até o esgotamento, conforme disse a própria presidente, Dilma tivesse começado um ajuste em 2011. Muito provavelmente o desemprego teria sido maior e nem mesmo o IBGE conseguiria um crescimento maior que 2% em 2011. Por outro lado em 2011 a economia vinha de um crescimento de 7,5% em 2010, o governo tinha mais folga para “proteger” os desempregados, a população estava menos endividada e a margem para aumentar os juros era maior. Acredito que se o governo tivesse feito o ajuste em 2011 já estaríamos saindo da crise e certamente estaríamos melhor do que estamos hoje.

O governo escolheu outro caminho e adiou o quanto pôde o ajuste. O que aconteceu? Na hora que o desemprego começa a subir o governo se viu obrigado a reduzir o público alvo do seguro desemprego. A inflação está bem acima do teto da meta e o governo teme aumentar juros e aprofundar ainda mais a recessão. Da mesma forma a desvalorização do Real, algo que já foi desejado pelo governo, assusta pelo potencial de afetar a já alta inflação, sendo um economista que segue o lema “deixa o câmbio flutuar” não posso deixar de registrar como um governo que dizia que a desvalorização do câmbio era a saída para indústria tem um Banco Central que aposta milhões de dólares na tentativa de impedir a desvalorização do Real. Se estivéssemos com uma inflação de 3,5% a 4% o governo poderia apenas sentar e olhar a disparada do dólar, não estamos. Depois de quatro anos estimulando o endividamento o governo não sabe o que fazer com uma população endividada que vê a renda cair, como resultado foi obrigado a suspender programas de crédito como Minha Casa Melhor (link aqui) e reduzir o FIES (link aqui) no exato momento em que as taxas de juros estão subindo.

Talvez o exemplo mais cruel tenha sido o estímulo a indústria por meio do BNDES e da Petrobras. Ao usar dinheiro público para viabilizar projetos incapazes de se sustentar por conta própria o governo armou uma gigantesca bomba relógio. O encolhimento do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (link aqui) é caso de livro texto, venderam sonhos e entregaram pesadelos. Quantidades significativas de capital e trabalho alocadas para atender as empresas do Complexo Petroquímico agora estão sem uso, a perda de capital é crítica, as perdas humanas de quem direcionou a vida profissional para o setor são catastróficas. O cancelamento da refinaria que seria construída no Ceará é outro exemplo (link aqui), a Unifor, universidade privada mais tradicional do estado, chegou a criar cursos de engenharia do petróleo para formar profissionais que atenderiam a refinaria e outras empresas que seriam criadas no setor. Quanto desperdício de capital humano em um país e em um estado onde a carência de capital humano é crítica. Os estaleiros oferecem ainda outro exemplo do desastre que foi usar todo o arsenal disponível para adiar a crise, além de aumentar os custos da Petrobras contribuindo assim para o drama da empresa, os estaleiros se veem obrigados a realizar demissões em grandes números (link aqui) no exato momento que o governo está sem instrumentos para combater a crise.

Enfim, poderia continuar listando exemplos de intervenções que visavam adiar a crise indefinidamente e não apenas não conseguiram como cobram seus preços na pior hora possível, tenho certeza que os leitores têm outros exemplos para colocar na lista. Quem estiver interessado em uma abordagem mais profunda para a questão pode olhar o livro e os textos que citei no início do post. O fato é que infelizmente, porém por escolha própria, o Brasil parece que vai oferecer mais um exemplo de que um combate a crise que ignora os efeitos de longo prazo das medidas emergenciais é o caminho para colocar o país em uma grande depressão.



Comentários

  1. Prezado, muito bom! Impressionante como a admissão de erro da presidente, embora de jeito sibilino, esteja passando em branco. Os fracassos, recuos e omissões citados em seu artigo explicam mais que ódio, a imensa frustração da sociedade. Ódio, no caso, só cabe como a expressão marota, meio que expressando "que merda!" que acabamos assim. Abs.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Limite de isenção do Imposto de Renda em termos de salários mínimos durante os governos petistas

2016: O ano que o Império da Lei venceu o império do governante.

Desempenho da economia durante o regime militar: o que dizem os dados?