Sobre Fadas e Anões: Confiança e os problemas reais da economia brasileria

Vez por outra leio textos de economistas dentro e fora a do governo apontando a confiança como o motor da economia. Sem confiança estamos destinados a estagnação, com confiança o céu é o limite. Como em um passe de mágica a confiança faz com que empresários decidam investir mais aumentando a produção e criando novos empregos, a mesma confiança faz com que os consumidores gastem mais garantindo a demanda necessária para o aumento de produção, mas fica melhor, com o aumento da produção, do emprego e dos gastos o governo arrecada mais e presta melhores serviços à população. É claro que em uma sociedade onde a produção aumenta, a demanda acompanha o aumento da produção, empregos são criados e os serviços públicos não param de melhorar a confiança cresce ainda mais e ciclo virtuoso se estabelece. Confiança gera prosperidade que gera ainda mais confiança.

Sendo assim a saída para tirar uma economia de uma crise é reestabelecer a confiança. Paul Krugman, prêmio Nobel em economia e ativista keynesiano por aumento de gastos públicos, cunhou a expressão “fada da confiança” (no original “confidence fairy”, link aqui e aqui) para ironizar os economistas que defendem austeridade como forma de estimular a economia. Krugman argumenta que nas condições dos EUA (e também da Europa) não existem bases teóricas para sustentar a tese que o corte nos gastos do governo levaria a um aumento de confiança nos investidores que colocaria em funcionamento a mágica da confiança. O debate por lá pegou fogo e muita gente boa entrou na discussão de um lado ou de outro. Não vou discutir economia americana ou europeia aqui, como de costume vou tratar da economia brasileira.

A fada da confiança que Krugman usou para ironizar os defensores da austeridade por lá tem uma irmã que vive por aqui, para facilitar vou chamar a versão original de fada azul e a irmã que vive por aqui de fada vermelha. A mágica da fada azul consiste em fazer que ao testemunhar cortes nos gastos públicos empresários passem a investir mais e consumidores passem a gastar mais pois antecipam redução na taxa de juros e nos impostos. Assim como a água que por aqui gira em direção contrária a que gira no hemisfério norte, a fada vermelha faz uma mágica que funciona de forma contrária a da fada azul. A mágica da fada vermelha faz que o aumento dos gastos do governo aumente a confiança dos empresários e dos consumidores. Empresários sob feitiço da fada vermelha investem mais por acreditarem que aumento do gasto representa garantia de demanda futura, consumidores encantados pela fada vermelha gastam mais por acreditarem que a aumento do gasto público garantirá empregos no futuro. Apesar da fada azul e da fada vermelha usarem truques diferentes para invocar a magia da confiança ambas garantem o mesmo resultado: a confiança aumentará investimentos, consumo e nos abençoará com um ciclo virtuoso.

Guido Mantega, ex-ministro da Fazenda, era um devoto fiel da fada vermelha. Apostou suas fichas que aumento dos gastos e discursos para lá de otimistas fariam funcionar a mágica da fada vermelha. Joaquim Levy, atual ministro da Fazenda, parece ser discípulo da fada azul, porém até agora acendeu mais velas para o aumento de impostos do que para o corte de gastos. Talvez o novo ministro seja discípulo de uma fada verde que ainda não foi bem descrita. Seja lá a fada que siga Joaquim Levy, assim como Guido Mantega, parece acreditar que negar a existência de problemas é uma boa forma de ajudar as fadas da confiança (falei a respeito aqui).

O tempo ainda não permite saber a efetividade da magia da fada de Levy. Porém podemos tentar ver se a fada vermelha teve sucesso em trazer confiança a nossos empresários. A figura abaixo mostra o nível de confiança de nossos industriais durante o governo Dilma.




 A tendência de queda é inegável, quando a presidente tomou posso o índice de confiança do empresário industrial (ICEI) era de 61,7; hoje o ICEI está em 40,2. A tendência de queda do ICEI durante o primeiro governo Dilma sugere que a fada vermelha pode ser daquelas fadas atrapalhadas que fazem o encanto ter resultados opostos aos desejados. Será que a fada azul (ou seria verde?) de Joaquim Levy terá resultados melhores? Espero que sim, em geral aumento de confiança é um bom sinal.

Aqui entram em cena os anões. Nos mundos de fantasia anões são descritos como gananciosos, trabalhadores e não raro possuem aversão a mágica. Enquanto as fadas são descritas como seres delicados que costumam voar entre as flores os anões possuem trações grosseiros e geralmente aparecem enfiados em alguma montanha em busca de ouro ou pedras preciosas. Acredito que em nossa condição atual precisamos mais de anões do que de fadas. Não me entendam mal, o ajuste fiscal é necessário e será feito de um modo ou de outro, apenas não acredito que resolvido o problema fiscal a mágica da confiança nos fará retomar o crescimento. No mundo dos anões só consegue as coisas com trabalho.

O que impede nossos anões de trabalhar? De saída digo que nossa insistência em ver a ganância como algo a ser combatido é um banho de água fria em nossos anões. Qual a razão de enfrentar os riscos das montanhas se ficar com o ouro e as pedras preciosas é feio? Nossa cruzada contra a ganância faz com que criemos cada vez mais dificuldades para os anões. Exigimos licenças redundantes, criamos regras que retroagem contra os anões, taxamos em demasia o ouro dos anões... é difícil escavar por aqui. As dificuldades não param, existem alguns anões que são gananciosos mas preferem viver da amizade do Rei do que dos riscos de enfrentar as montanhas, destinamos recursos valiosos para estes anões. Tais anões aplicam estes recursos para que possam ficar ainda mais amigos do Rei e para que dificultar o trabalho dos outros anões de forma a não sofrer concorrência. Ao contrário dos anões normais os anões amigos do Rei escondem sua ganância e falam que trabalham em nome da sociedade e dos pobres do reino.

Não bastasse as dificuldades e a concorrência com os amigos do Rei nossos anões ainda sofrem para encontrar anões bem treinados que possam ajudar nas escavações. Os sábios da terra dizem que não é preciso treinar os novos anões pois não existem escavações para empregar anões treinados, estes mesmos sábios sentem dificuldade em entender a razão de anões sem treinamento não conseguirem criar novas tecnologias ou mesmo dominar tecnologias existentes. Tais sábios gostam de invocar feiticeiros que tornariam os anões amigos do Rei em grandes campeões que levariam a glória do reino para outras terras, os sábios garantem que os feiticeiros existem e já fizeram proezas em outras terras, por aqui ainda não se viu a mágica dos feiticeiros funcionar, mas este é assunto para outras conversas. Sem incentivos e sem anões treinados nossos valentes escavadores se deparam com ameaça de falta de energia e água para escavações e, quando conseguem retirar algo, faltam os trilhos para levar o ouro ao mercado. Diz-se que alguns anões tentaram construir tais trilhos, mas o Rei os ameaçou com o inferno eterno da burocracia infinita.

A verdade é que a situação desesperadora de nossos anões faz com que muitos prefiram apostar nas fadas. É pena. Melhor seria se enquanto Levy faz o ritual de invocação da fada azul o resto do governo buscasse uma forma de atrapalhar menos a vida dos anões.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Votação do fundo eleitoral por partidos,

2016: O ano que o Império da Lei venceu o império do governante.

Desempenho da economia durante o regime militar: o que dizem os dados?