A Economia Brasileira na Década de 1980

Tenho visto muitos comentários a respeito de como era a economia na década de 1990. Vários mostram a década de 1990 como uma época de crise e sofrimento, em grande parte isto é verdade. Porém a descrição da economia da década de 1990 sem fazer referência à década de 1980 pode levar a conclusões enganosas. Mal comparando é como um gordo que resolve emagrecer, é muito provável que após três meses de dieta e exercícios o sujeito continue gordo, porém estará menos gordo e mais disposto do que estava antes de decidir emagrecer, se houver persistência em um ano ele poderá estar magro e saudável. Falar do anos 1990 sem falar da década de 1980 é como analisar o sujeito após três meses de dieta e concluir que, como ele ainda estava gordo, a dieta foi inútil. Comparar a economia da primeira década do século XXI com a economia da década de 1990 sem olhar para década de 1980 é como acreditar que o sujeito emagreceu por milagre e que todo o sofrimento da dieta e dos exercícios foram em vão, afinal hoje ele não precisa mais da dieta rigorosa e nem de exercícios diários e mesmo assim está mais magro e mais saudável do que estava nos primeiros meses da dieta. O perigo de fazer isto é voltar a engordar e ter de fazer tudo de novo, o que pode até não ser mais difícil, mas é mais frustrante.

Sei bem das duas histórias. Como economista estudo a economia brasileira das décadas 1980 e 1990, um dos trabalhos que mais me orgulho foi exatamente a respeito desse período. O trabalho foi publicado em um livro editado pelo Timothy Kehoe e pelo Edward Prescott (Nobel de Economia em 2004), o link para o livro está aqui (o link para o livro na Amazon está aqui), o nome do capítulo que escrevi em parceria com o Victor Gomes, a Mirta Bugarin e o Arilton Teixeira é “The Brazilian Depression in the 1980s e 1990s”. A história do gordo que emagrece, esquece dos sacrifícios e engorda novamente eu também conheço bem, passei por isto, já perdi 60Kg em um ano “apenas” com dieta e exercício, no momento já recuperei quase tudo. Exatamente por conhecer bem as duas histórias a comparação é inevitável. Para ajudar a lembrar a razão dos sacrifícios da década de 1990 resolvi fazer este post a respeito da década de 1980. Vejam esse post como um lembrete de como éramos anates do sacrifício, como um novo magro que ante a tentação de jantar pizza com cerveja olha uma foto de quando ele era gordo.

No final da década de 1970 o Brasil era um país com uma economia promissora. Do fim da II Grande Guerra até o início da década de 1980 nosso crescimento estava entre os maiores do mundo, em 1950 nossa renda per capita era 13,58% da renda per capita de um americano, ou seja, o brasileiro médio ganhava 13,58% do que ganhava um americano médio, em 1980 essa proporção era de 28,67%. Mais que dobramos nossa renda per capita em relação aos EUA! É claro que vivíamos uma ditadura e alguns observadores mais atentos poderiam ter desconfiado de toda esta bonança, mas não era o sentimento da maioria dos especialistas, nem no Brasil nem no exterior. É mais ou menos como ocorre com a China hoje, uma ditadura em uma economia crescendo muito.

Pois bem, a década de 1980 veio acabar com o sentimento de que o Brasil é um país que vai para frente, em 1990 nossa renda per capita tinha caído para 19,66% da renda per capita dos EUA. A figura à esquerda ilustra essa história, primeiro o crescimento em relação aos EUA e depois a queda. Esquecendo a comparação com os EUA e olhando apenas para os dados brasileiros vamos ver que na década de 1980 a economia brasileira decresceu em média 0,29% ao ano, não escrevi errado, a taxa média de crescimento foi de -0,29% ao ano. Mas como desgraça pouca é bobagem não foi apenas a economia que parou de crescer, na mesma época a inflação, que já era absurdamente alta, saiu completamente de controle. A inflação medida pelo IPCA em 1980 foi de 99,25%, em 1989 chegou a incríveis 1.972,91% e em 1990 foi de 1.620,97%. Se voltarmos ao exemplo do gordo a situação da economia brasileira era a de um obeso mórbido com problemas cardíacos, se o médico mandar o sujeito fazer exercícios ele pode ter um ataque cardíaco, vai ter de emagrecer apenas com restrições alimentares. Haja antidepressivo. A figura abaixo mostra o crescimento da inflação na década de 1980.



A combinação de recessão com inflação alta, no caso da década de 1980 seria melhor falar de depressão e hiperinflação, é desastrosa para economia. A primeira vítima são os assalariados, a inflação corrói o poder de compra do salário e a recessão tira o poder de barganha dos sindicatos. A combinação é uma receita certa para queda de salário real, apenas para ilustrar este processo podemos olhar o salário mínimo real calculado pelo IPEA. Em 1980 o valor médio do salário mínimo foi de R$ 603,94 em valores de hoje, em 1990 tinha caído para R$ 343,35. Apenas em 2009 o salário mínimo voltou aos valores de 1980. A figura à direita mostra a queda do valor do salário mínimo na década de 1980.

Os baixos salários pelo menos serviram de estímulo à produção? Não. A taxa de investimento caiu no período. Em 1980 o Brasil investia 23,5% do PIB, em 1990 investia 20,7%. A literatura mostra distorções importantes no cálculo da taxa de investimento em 1989 e 1990, para poupar o leitor de uma explicação tediosa a respeito de tais distorções digo apenas que em 1991 a taxa de investimento foi de 18,01%. Se é verdade que por volta de 2009 o salário mínimo tinha recuperado o valor real de 1980, a taxa de investimento nunca mais se recuperou. Com exceção de 1994, taxa de investimento de 20,7%, nunca mais o Brasil investiu mais de 20% do PIB.

Eu poderia continuar listando as várias mazelas econômicas da década de 1980, mas acredito que já passei meu recado e seguir adiante seria abusar da paciência do leitor. No futuro falarei a respeito da década de 1990, é verdade que não foi uma década feliz para a maioria dos brasileiros. Após várias tentativas frustradas de resolver os problemas da economia por meio de maxisdesvalorização da moeda, choques heterodoxos (o exemplo mais lembrado é o infame Plano Cruzado) e até “sequestro” de ativos foi em meados da década de 1990 que o Brasil resolveu fazer o que tinha de ser feito para combater a inflação, o gordo finalmente descobriu que fazer simpatia não emagrece. Trazer de volta as lembranças da década de 1990 pode ser uma benção se tais lembranças reforçarem nosso compromisso com a estabilidade, se perdermos vamos ter de passar por tudo de novo para recuperá-la. Se for para dizer que o sacrifício foi em vão estamos dando uma passo perigoso para perder a estabilidade, o gordo voltou a tomar cerveja à noite e parou de ir a academia.




Comentários

  1. Perfeito Roberto!

    Particularmente peço que faça um "A Economia Brasileira na Década de 1980 - parte 2", porque minhas aulas sobre isso foram péssimas.

    Abs

    ResponderExcluir
  2. Muito bom, aguardo a analise da década de 1990,

    ResponderExcluir
  3. A década de 80 foi um desastre absoluto para a economia brasileira. O trabalho de economista era ridículo, concentrado em projetar inflação, fazer cálculos correlacionados e pouca coisa além disso. Era proibido ter um computador de boa qualidade! Foi quando eu pensei em ir embora do país, como vários parentes e amigos fizeram. Os anos 90 começaram mal, mas depois de 94, melhorou imensamente, de forma que eu nunca podeira imaginar. Nunca pensei que teríamos inflação de país civilizado. Construímos a base para a década seguinte.

    ResponderExcluir
  4. Somente dados oficiais sérios comparando governos Lula e FHC
    http://governobrasil.blogspot.com.br/

    Acessem.

    Aqui, um resumo em gráfico: http://2.bp.blogspot.com/_9AUgPgu2qks/TMssBJAmtjI/AAAAAAAAACc/dtJW-1VCVms/s1600/resumo_visual_07.png

    Viralizem.

    Infográfico da corrupção. Sigam o dinheiro!
    http://infogbucket.s3.amazonaws.com/infopapelaba/psd/organograma-da-corrupcao/organograma.jpg

    ResponderExcluir
  5. Não entendo por que o PSDB não parte para o confronto direto com o PT também nos números de combate à pobreza. Não me refiro ao impacto social do Plano Real, mas sim às próprias políticas de transferência de renda! Menciono a Aposentadoria Rural por Idade, de caráter assistencial (e não previdenciário), que saltou de 2.240.500 benefícios, em 1991, para 4.287.817 benefícios, em 2002. Menciono o Benefício de Prestação Continuada, que saltou de 346.219 benefícios, em 1996, para 1.560.854, em 2002. Nesses dois casos, o valor de um salário mínimo supera em 10 vezes o valor do Bolsa Família, que parte de R$ 70,00. São números extraordinários, que superam de longe as conquistas do Bolsa Família, programa herdado do governo FHC. Finalmente, menciono o Auxílio-Gás, o Bolsa Escola e o Bolsa Alimentação, que ainda em 2004 mantinham um cadastro de 5.356.207, 3.042.779 e 53.507 beneficiários, respectivamente. Fica a pergunta: onde está o Instituto Teotônio Vilela, que deveria apresentar os subsídios para um embate real?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Votação do fundo eleitoral por partidos,

2016: O ano que o Império da Lei venceu o império do governante.

Desempenho da economia durante o regime militar: o que dizem os dados?