Manifesto sobre o caso envolvendo o Banco Central e o Economista Alexandre Schwartsman

Alguns amigos estão perguntando a respeito do manifesto sobre o caso entre o Banco Central e o economista Alexandre Schwartsman. O caso foi divulgado pela revista Veja e trata de um processo do BC contra o Alexandre Schwartsman por suposta difamação do BC pelo economista. Acompanho o trabalho de Alexandre Schwartsman e compartilho de várias das críticas que ele fez ao BC. Ocorre que este caso não é sobre divergências em economia, trata-se de intimidação para calar os críticos. Isso é  inadmissível em uma democracia!

Como forma de protestar contra este ato de arbitrariedade do BC e se solidarizar com o Alexandre Schwartsman alguns economistas assinaram um manifesto. Para assinar o manifesto basta entrar no link: Petição Pública e procurar por Alexandre Schwartsman. De forma alternativa você pode clicar aqui. O texto do manifesto é o seguinte:


Manifesto sobre o caso envolvendo o Banco Central e o Economista Alexandre Schwartsman
A recente notícia de uma ação judicial contra o economista Alexandre Schwartsman deixou-nos perplexos. Todos nos acostumamos, durante anos, a ouvir críticas muito piores e inverídicas - como a de que o BACEN seria manipulado pelos bancos - sem qualquer retaliação. O respeito à crítica e ao debate transparente sobre a condução da política monetária, inclusive, tem sido um aspecto fundamental da atuação do BACEN, progressivamente construído desde a estabilização, há mais de duas décadas.
A judicialização como instrumento de repressão à divergência representa um retrocesso inaceitável. Felizmente, a denúncia não foi aceita pela justiça. A intolerância com a divergência e com a crítica ácida e o recurso da máquina pública para suprimir o contraditório, por meio da utilização de uma instituição pública para constranger alguém judicialmente, configuram uma prática incompatível com os valores que uma democracia deve ter e cultivar. Essa atitude prejudica a democracia e as instituições e merece o nosso mais veemente repúdio.
Assinam (inicialmente):
1. Affonso Celso Pastore
2. Afonso Bevilaqua
3. Alexandre Rands
4. Andre Lara Resende
5. André Portela
6. Armínio Fraga Neto
7. Carlos Eduardo Gonçalves
8. Carlos Eugênio da Costa
9. Carlos Melo
10. Carlos Viana de Carvalho
11. Carolina da Costa
12. Claudio Ferraz
13. Claudio Haddad
14. Cristina Terra
15. Eduardo Giannetti
16. Eduardo Zilberman
17. Elena Landau
18. Eliana Cardoso
19. Fabio Giambiagi
20. Guilherme Nobrega
21. Gustavo Franco
22. Gustavo Gonzaga
23. João Cesar Tourinho
24. João Manoel Pinho De Mello
25. José Alexandre Scheinkman
26. José Roberto Afonso
27. José Roberto Mendonça de Barros
28. Luiz Fernando Figueiredo
29. Maria Cristina Pinotti
30. Mansueto Almeida
31. Márcio Gomes Pinto Garcia
32. Marco Bonomo
33. Marcos de Barros Lisboa
34. Naercio Menezes Filho
35. Pedro Cavalcanti Ferreira
36. Roberto Castello Branco
37. Roberto Ellery Jr
38. Roberto Luis Troster
39. Rodrigo Azevedo
40. Ruy Ribeiro
41. Samuel Pessoa
42. Sergio Firpo
43. Sergio Lazzarini
44. Tiago Berriel
45. Tiago Cavalcanti
46. Vinicius Carrasco


Agradeço a todos os amigos que optem por assinar o manifesto. Não é uma manifesto contra ou a favor da política monetária do BC, é um manifesto pela liberdade de expressão.




Comentários

  1. Isso é assustador.

    Será que precisamos ficar com medo do Estado quando emitirmos nossas opiniões sobre política econômica em sala de aula, em textos acadêmicos, jornalísticos, no facebook?

    Estou com vergonha do Banco Central e do Estado brasileiro.

    Abraço

    Alexandre Andrada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então retire o PT do poder antes que seja tarde.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Votação do fundo eleitoral por partidos,

2016: O ano que o Império da Lei venceu o império do governante.

Desempenho da economia durante o regime militar: o que dizem os dados?