O Dragão vai pegar a Águia?

Uma matéria da The Economist falando que o PIB da China vai ultrapassar o dos EUA ainda este ano e não em 2019 como anteriormente previsto tem aparecido com frequência na minha "timeline" do FB. Como já atingi o limite de artigos da The Economist (sei que é dia primeiro, mas talvez eles ainda não tenham atualizado) fui procurar outra referência para passar o link e acabei encontrando a matéria da BBC sobre o mesmo tema (link aqui). A matéria da BBC está interessante e toca em um ponto essencial, qual seja, a questão da conversão por paridade de poder de compra, PPP para os que acompanham economia. Como calcular a PPP não é um exercício trivial comparações de PIB dos diversos países é uma tarefa delicada e sujeita a erros e interpretações.

O problema tem várias nuanças e não cabe detalhar aqui, mas para simplificar e pegar o ponto central do problema um exemplo pode ajudar. De acordo com os dados do FMI conforme disponibilizados na Wikpedia o país com o maior PIB do mundo em 2013 foi os EUA, neste ano eles tiveram um PIB de 16,8 trilhões de dólares. No mesmo ano o PIB do Brasil foi de 2,2 trilhões de dólares. A questão é que o PIB do Brasil não é medido em dólares e sim em reais, logo para comparar o PIB do Brasil com o de outros países foi necessário transformar o PIB do Brasil de reais para dólares. Como transformar? Usando a taxa câmbio. O uso da taxa de câmbio faz com a medida em dólares do PIB de um país, com exceção dos EUA, dependa do quanto foi produzido e do câmbio. O que ocorre se o governo do Brasil resolver valorizar o real? O PIB do Brasil em dólares aumenta, acontece o contrário se o real for desvalorizado. Suponha que o câmbio em 2013 foi de dois reais por dólar, neste caso o PIB do Brasil em reais teria sido de R$ 4,4 trilhões. Os mesmos 4,4 trilhões de reais que valeriam os 2,2 trilhões de dólares com câmbio de R$ 2,00 passariam a valer 4,4 trilhões de dólares se o câmbio fosse R$ 1,00. Poderíamos inclusive ter um PIB em dólares maior que o dos EUA se o governo decretasse um câmbio de R$ 0,25. Claro que isto é impossível, a idéia é só mostrar como câmbio afeta o PIB em dólares. Como forma de driblar este problemas economistas usam várias técnicas de conversão de valores entre países, todas com algum tipo de problema e passíveis de manipulação. A depender da técnica a China está mais longe ou mais perto dos EUA.

Porém, independentemente da técnica de conversão, ninguém discorda que a China cresce mais do que os EUA. A manter o ritmo de crescimento cedo ou tarde o PIB da China deve ficar maior que o dos EUA, isto deve ocorrer mesmo que o crescimento da China diminua. O que isto significa? Pouco. A questão é que comparar PIB de países é um exercício de pouca utilidade, mesmo sem o problema da conversão dizer que um país tem o PIB maior que outro não ajuda muito a entender qual país é mais rico, tudo vai depender da população. A idéia aqui é simples. Suponha dois colegas de trabalho que ganham R$ 5 mil por mês. Um é solteiro, mora sozinho e não sustenta mais ninguém e o outro é casado tem quatro filhos e sustenta o irmão desempregado. Qual é mais rico? Claro que é o primeiro, afinal ele tem o dinheiro só para ele enquanto o outro tem que sustentar sete pessoas. A mesma lógica vale para os países, para comparar a riqueza dos países é preciso comparar o PIB dividido pela população, o que em economia chamamos de PIB per capita.

Olhando o PIB per capita ainda segundo os dados do FMI disponibilizados na Wikpedia para 2013 o dos EUA é de 53 mil dólares internacionais (uma espécie de dólar ajustado pelo poder de compra de cada país) enquanto o da China é de 9,8 mil dólares internacionais. Só para comparação o do Brasil é de 12,2 mil, isto mesmo, o Dragão ainda está atrás do Papagaio. O motivo é simples, mesmo que EUA e China tivessem exatamente o mesmo PIB o fato da população da China ser muito maior faria dos chineses mais pobres que os americanos. Desta forma, tomando emprestado os argumentos do Easterly no que eu considero ser o livro do século até o momento (ver minha resenha do livro aqui), a questão não é explicar porque o PIB da China cresce mais e eventualmente pode ultrapassar o dos EUA. A questão é explicar porque uma cultura milenar como a da China gera uma renda por habitante de menos de 20% da dos EUA. Visto por esta perspectiva é difícil entender os que comemoram a cultura autoritária e intervencionista do Dragão enquanto apontam os defeitos da cultura de liberdade que (ainda?) é cultivada pela Águia.


P.S. Será que a mania nacional de comparar PIB tem alguma relação com o fato que temos o sétimo maior PIB do mundo enquanto no ranking de PIB per capita somos os septuagésimos nonos?

Comentários

  1. A mesma coisa foi com o Japão?Se comentava que PIB do Japão seria maior que o dos EUA,essas previsões não se concretizaram.

    ResponderExcluir
  2. Outro detalhe: apesar de todo o espetáculo de crescimento Chinês, algumas coisas devem ser levadas em conta:

    1 - Não dá pra comparar a qualidade de vida americana com a chinesa. Os Yankes estão anos luz à frente.
    2 - Os números da China não são confiáveis.
    3 - Grande parte deste crescimento chinês é inútil. A China, para manter sua moeda desvalorizada, se entope de dólar e títulos do tesouro americano. Todo este dinheiro chinês usado na compra destes dólares causaria uma mega inflação por lá. Então eles constroem tudo o que podem e mais um pouco para consumir este dinheiro. Isto, obviamente gera PIB. Porém há diversas cidades fantasma na China prestes a estourar uma mega bolha imobiliária por lá. Não dá pra acreditar no que a China faz. Estão bem parecidos com os brasileiros em questões de maquiagem e seu governo é centralizador. Não dá pra acreditar nos dados chineses.

    ResponderExcluir
  3. A questão é que o PIB mede também o PODER de um país. E Poder não se mede em termos per capita, mas sim absolutos.

    Que a qualidade de vida de um americano é melhor que a de um chinês, ninguém duvida disso. O que se levanta é que, com o crescimento chinês, a China passe a exercer maior influência ao longo do globo. É o tal do mundo multipolar.

    Se formos medir as coisas em termos per capita, os EUA nem são lá essas coisas. Além disso, a referência mundial seriam as economias da Noruega e do Catar, rs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Conheço a tese, mas não me convence. Brasil tem PIB maior que Rússia, Índia, Coréia (as duas), Irã e Israel, entretanto acredito que maioria das pessoas concordem que o Brasil tem bem menos poder em termos de geopolítica que estes países. Pode até existir uma correlação entre PIB e poder, mas creio que é tênue.

      Excluir
    2. Existem diversos tipos de Poder. Um deles é o econômico, e este certamente possui uma forte correlação com o PIB absoluto. Entretanto, existem outros tipos, como militar, cultural, etc.

      O Brasil não tem interesse em Poder no cenário internacional. Somos uma nação "Paz e Amor".

      A Rússia tem um dos maiores poderes militares do planeta, creio que só perca para os EUA e China. Além disso, há uma longa história de imperialismo russo, principalmente em relação a seus vizinhos.

      Coreia do Sul tem poder no cenário internacional? Não me parece, poderia citar exemplos?

      Excluir
    3. Tenho dúvidas que mesmo o poder econômico seja tão relacionado com o PIB. Itália e Arábia Saudita tem PIB menor que o Brasil e, por motivos diferentes, tem mais poder econômico global que o Brasil. Uma crise na Grécia quase afundou a Europa, uma crise no Brasil talvez não afunde nem a Argentina.

      Sim é disto que estou falando, existem tantos fatores para determinar o poder de um país que o PIB acaba não sendo muito relevante.

      A Coréia do Sul está em uma posição estratégica para os EUA, só isto a faz uma peça chave em termos militares. Em termos econômicos a Coréia do Sul, com PIB menor que o do Brasil, tem impacto significativo no mundo, arrisco dizer que a Samsung sozinha tem mais relevância para economia global do que toda a indústria de transformação brasileira.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Votação do fundo eleitoral por partidos,

2016: O ano que o Império da Lei venceu o império do governante.

Desempenho da economia durante o regime militar: o que dizem os dados?