O Desastre da América Latina no Pós-Guerra.

A avaliação de políticas de crescimento econômico é sempre um exercício complicado. Além de exigir horizontes de tempo longos exige uma série de outros cuidados que torna o trabalho do avaliador quase impossível. Suponha que no início da década de 1950 um determinado país tenha implementado uma determinada política de crescimento e que após 60 anos este país continue pobre. É possível afirmar que a política falhou? Não.

Primeiro o avaliador teria de saber se a política foi interrompida. Depois é preciso saber se outras políticas foram utilizadas no país ou se algumas características do país fizeram com que a política não funcionasse. Existem várias técnicas econométricas para tratar destas questões, nenhuma é a prova de erros. Resta então a quem queira avaliar políticas de crescimento buscar o maior número possível de países na esperança de que se vários países adotaram políticas semelhantes com resultados semelhantes então o resultado é devido à política. Claro que este tipo abordagem não oferece respostas definitivas, é sempre possível que todos os países tenham sofrido efeitos não relacionados com a política e que estes efeitos sejam responsáveis pelo resultado observado. Entretanto se um número grande de países adotou determinadas política e todos tiveram resultados semelhantes no mínimo é de se esperar que os defensores da política expliquem o que acontece antes de sair pedindo a reedição desta política.

A América Latina oferece um exemplo interessante. Na segunda metade do século XX praticamente todos os países da América Latina adotaram políticas de estimular a produção industrial local como forma de estimular o crescimento. A tese de que este estímulo era a chave do crescimento estava fundada em estudos da Comissão Econômica para América Latina e Caribe (CEPAL). Grosso modo a ideia da CEPAL era que os preços das matérias primas (agrícolas e minerais) tendiam a cair em relação ao preço dos bens industrializados. Desta forma um produtor de soja teria de dar cada vez mais sacas de soja para obter um automóvel ou uma televisão. A conclusão imediata era que um país que só produza matérias primas tenderia a ficar cada vez mais pobre em relação a um país que produza bens industrializados.

Para conseguir estimular a produção industrial os países da América Latina seguiram uma estratégia conhecida como substituição de importações. A ideia era simples: o país proibia a importação de um determinado bem industrializado e usava recursos públicos para subsidiar a produção deste bem no território do país. A indústria automobilística brasileira é um exemplo de como isto aconteceu, até o início da década de 1990 importar um automóvel no Brasil era praticamente impossível. Esta estratégia foi seguida por vários países do final da II Guerra Mundial ao final da década de 1980. Foram quase 40 anos de aplicação de uma política por vários países distintos. A figura abaixo mostra o resultado.



A figura mostra a renda média de países selecionados da América Latina como proporção da renda média dos EUA, quando a linha da figura está subindo o país está crescendo mais do que os EUA, quando está caindo o país está crescendo menos que os EUA. Entre 1951 e 2010 apenas Brasil, Chile, Colômbia e México cresceram mais dos que os EUA. Entre 1951 e 1990, que vou chamar de período desenvolvimentista, apenas Brasil, México e Paraguai cresceram mais do que os EUA, sendo que nos dois últimos ficaram praticamente estáveis. Entre 1990 e 2010, que vou chamar período das reformas, todos, com exceção do Paraguai e do México cresceram mais do que os EUA. Como de 2000 a 2010, apesar da previsão Cepalina de queda de preços das matérias primas, ocorreu um aumento gigantesco nos preços das matérias primas muitas das quais produzidas nos países da América Latina fica difícil analisar o período das reformas. Mas o fracasso do desenvolvimentismo é evidente: quarenta anos de políticas de incentivos à indústria foram incapazes de fazer com que a América Latina se aproximasse dos EUA, pelo contrário, ficamos mais distantes. A guisa de comparação a renda média da Coréia do Sul em 1954 era 10% da dos EUA, em 1990 era 40% e em 2010 era de 61%.

Defensores do desenvolvimentismo são rápidos em dizer que a Coréia do Sul também incentivou a indústria, o que é um fato. Infelizmente não são tão rápidos em explicar por qual razão lá a política de incentivos estimulou (ou não atrapalhou, dependendo do analista) o crescimento lá e aqui não. Retomar o desenvolvimentismo, como tem sido feito por vários governos da América Latina, sem entender o que aconteceu no passado é uma aventura cara e perigosa. Usar dinheiro dos impostos pagos pelas populações muitas vezes miseráveis de nuestra América para financiar empresários sob a promessa que estes empresários vão nos levar ao sonhado desenvolvimento econômico é ter mais ingenuidade do que me parece aceitável. Nossa experiência mostrou que os beneficiários destas políticas não pensam duas vezes antes de apoiar ditadores de ocasião à primeira ameaça de uma mudança nas regras do jogo que diminua as benesses dos incentivos e do protecionismo. Vamos arriscar de novo? Por que desta vez será diferente?

Reconheço que praticamente todos os países hoje desenvolvidos em algum momento incentivaram a indústria, mas esta não é a única característica comum a todos os países desenvolvidos. Existem outras, por exemplo, educação. Todos os países desenvolvidos têm bons sistemas educacionais. Por que desta vez não tentamos o caminho da educação? Por que não destinar os bilhões que o BNDES empresta a juros de pai para filho para criar um sistema educacional padrão FIFA? Não se trata de direita e esquerda, Brizola e Anísio Teixeira fizeram propostas deste tipo. Este investimento em educação garante nossa entrada no primeiro mundo em 20 ou 30 anos? Não, mas o incentivo à indústria também não nos levou ao primeiro mundo. Se escolhermos ela educação pelo menos não estaremos alimentando uma casta de empresários e políticos dispostos a sacrificar a democracia, pelo contrário, estaremos criando um povo educado e quem sabe até capaz de defender nossas liberdades.

Comentários

  1. Respostas
    1. Obrigado meu caro. Quando você vier ao Brasil me avisa para ver se marcamos um seminário/conversa aqui na UnB. Grande abraço.

      Excluir
  2. Ótimo post, Roberto. Parabéns!

    Uma coisa mais. Acabei de encomendar desde a Espanha o livro Desenvolvimento Econômico (Ferreira, Giambiagi e outros), que acho conheces bem :-). O preço final ficou um pouco alto por causa do frete, mas acho que merece a pena o esforço financeiro...porque merece a pena, né? :-)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Espero que valha a pena. Eu gosto muito do livro, mas sou suspeito. Caso queira trocar ideias sobre o capítulo que eu e o Arilton escrevemos me avisa. O capítulo é um resumo de uma série de artigos que escrevemos. Abraço.

      Excluir
    2. Espero que valha a pena. Eu gosto muito do livro, mas sou suspeito. Caso queira trocar ideias sobre o capítulo que eu e o Arilton escrevemos me avisa. O capítulo é um resumo de uma série de artigos que escrevemos. Abraço.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Votação do fundo eleitoral por partidos,

2016: O ano que o Império da Lei venceu o império do governante.

Desempenho da economia durante o regime militar: o que dizem os dados?