Um novo impasse?

Marco Antonio Martins é uma referência para os economistas de minha geração que vivem em Brasília. PhD em Chicago e orientando de Robert Lucas, Marco Martins, apesar de ter publicado no JPE, preferiu não seguir carreira na academia. Fez sua carreira no IPEA e no Senado. Na virada dos anos 1970 para os anos 1980, Marco Martins protagonizou uma das mais importantes críticas à política desenvolvimentista de subsídios ao preço do Petróleo. Tive oportunidade de conversar com ele sobre este assunto e é impressionante a lucidez com que Marco Martins analisou e antecipou as conseqüências desastrosas de subsidiar um insumo fundamental como o Petróleo. O primeiro grande problemas foi a sinalização errada para a indústria e consumidores, estes não adotaram tecnologias poupadoras de energia por não terem recebidos os incentivos vindos dos preços. O segundo problema é o custo gigantesco dos subsídios, principalmente em um país importador de petróleo. Uma das provocações de Marco Martins é que a crise do balanço de pagamentos dos anos 1980 foi devida a esta política de subsídios. Nada supera uma conversa com Marco Martins para aprender sobre o Impasse, para os que não podem vir a Brasília para a conversa recomendo assistir esta entrevista e ler o texto do Impasse.

Fiz esta introdução para comentar notícia de O Globo sobre o atual subsídio à gasolina. Aparentemente mais de vinte anos depois os técnicos do governo não aprenderam nada com os erros de Geisel. Mais uma vez o governo entra em uma política suicida de subsidiar derivados de petróleo para tentar incentivar setores da indústria e para controlar preços. Assim como ocorreu na década de 1970 o governo está impondo custos altíssimos à Petrobras, custos que serão pagos pelos contribuintes, está criando déficits na balança comercial e, pior, está sinalizando errado para os agentes econômicos. Como diria Belchior: "Ainda somos os mesmos e vivemos como nossos pais".

Comentários

  1. É inacreditável essa insistência em políticas que já se provaram desastrosas! Fica no ar a sensação de estar 'a beira do precipício e a lembrança de tornar nossa dissertação em um artigo. O tema continua mais atual do que nunca, infelizmente. Como título, sugiro: Com quantas décadas perdidas se faz um país do futuro?

    ResponderExcluir
  2. Isso me faz lembrar do saudoso livro Economics of Worldwide Stagflation, dos Bruno and Sachs.

    ResponderExcluir
  3. Bacana! Excelente também o texto de comentário de Daniela Viana!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Votação do fundo eleitoral por partidos,

2016: O ano que o Império da Lei venceu o império do governante.

Desempenho da economia durante o regime militar: o que dizem os dados?