Conversa de Bar

Tinha pensado em comentar a debandada dos desenvolvimentistas. Depois que o governo fez tudo o que eles pediram e o resultado foi mais inflação e menor crescimento começou uma história de eu não tenho nada com isto que só não é engraçada pelos custos que o governo impôs a todos nós por seguir estes conselhos. Felizmente não tive tempo, Alexandre Schwartsman fez a crônica da debandada de forma muito melhor do que eu teria feito. Até a imagem que acompanha o texto foi perfeita. Para não passar batido deixo uma historinha que veio a minha mente por nenhuma razão que eu consiga perceber.

Primeiro ato
Em uma tarde de quinta-feira em um campus qualquer.
Amigo 1: Aquela menina do quarto semestre é muito gata, faria qualquer coisa para ficar com ela este final de semana.
Amigo 2: Procurou o cara certo, conheço a menina. Ela gosta do tipo playboy, daqueles que esbanjam grana tipo música de funk ostentação.
Amigo 1: Então estou fora, como você sabe sou meio nerd e o típico classe média sofre.
Amigo 2: Tenha criatividade. Pegue emprestado o Camaro Amarelo do teu primo, arranja umas roupas de grife com ele e paga uma noitada de whisky em um camarote da melhor boite da cidade.
Amigo 1: Meu primo é parceiro e ajuda, mas para pagar o noitada vou ficar sem comer o resto do mês, vai ficar difícil.
Amigo 2: Você não disse que faria qualquer coisa? A hora é esta, se for covarde vai perder sua chance. Você tem que arriscar tudo, confia em mim vai vale cada centavo. A menina é muito gata.
Fim do primeiro ato

Segundo ato
Domingo à tarde no bar do bairro
Amigo 2: Aí cumpadi, hoje vai dar mengão!!!
Amigo 1: Tem que ser, o campeão volta hoje.
Amigo 2: Como foi o final ontem? Pegou a gata?
Amigo 1: Nada, ela não se amarrou.
Amigo 2: Como assim? Você não fez o que eu falei?
Amigo 1: Fiz tudo, meu primo me emprestou tudo e ainda me arranjou o camarote dele.
Amigo 2: Então o que deu errado?
Amigo 1: A menina é cabeça feita, não gosta de playboy, parece que ela gosta mesmo é de vídeo game e falar de Guerra dos Tronos. Meio nerd, como eu. A amiga dela me disse que ela era meio ligada em mim, mas nunca pensou que eu fosse um playboy babaca. No final paguei whisky para todo mundo menos ela que preferiu tomar caipirinha.
Amigo 2: Não acredito, o que você fez de errado? Qual a cor da cueca que você usou?
Amigo 1: Branca.
Amigo 2: Como assim branca!? Playboy não usa cueca branca. Vacilou meu irmão, se tivesse me escutado estava com a gata.
Goooooool do Flamengo! [Não se ouve a comemoração, apenas um silêncio constrangido]
Amigo 2: O garção! Me manda o de sempre.

Amigo 1: Para mim uma água, estou quebrado.

Comentários

  1. Professor Roberto, ainda pior do que a desonestidade intelectual de quem viu o fracasso absoluto de sua receita mas é incapaz de admitir o erro é ver economista do BNDES dizendo que a preocupação com inflação baixa se deve ao viés ideológico de quem quer preservar a riqueza de quem tem renda alta.

    Aqui a fonte da pérola: http://www1.folha.uol.com.br/colunas/marcelomiterhof/2013/07/1305893-economia-e-ciencia.shtml

    Parece que no universo paralelo desse cidadão a inflação não afeta o poder de compra dos pobres, e a cesta básica aumentando 25% é uma preocupação somente para quem tem renda alta.

    Eu me pergunto como alguém que escreve isso ainda tem emprego e coluna em jornal de circulação nacional...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Limite de isenção do Imposto de Renda em termos de salários mínimos durante os governos petistas

2016: O ano que o Império da Lei venceu o império do governante.

Desempenho da economia durante o regime militar: o que dizem os dados?